Anderson Couto, cabeleireiro: dicas para achar o tom ideal de cabelo

Por Maria Cecília Prado em 29/03 | 1 |

Qual o segredo para encontrar o tom de cabelo perfeito? Se você está insatisfeita com seu look de beleza e vem se fazendo essa pergunta ultimamente, precisa ler já esta entrevista que fiz com o cabeleireiro Anderson Couto. Eu tinha vontade de conhecer este carioca, responsável por colorações que são o maior sucesso – o loiro sedutor de Giovanna Ewbank, por exemplo, é dele –, fazia tempo. Dias atrás, tive essa oportunidade (ao participar de um evento da marca Wella), e aproveitei para pegar muitas dicas para quem quer colorir o cabelo de uma maneira luxuosa, moderna e, ao mesmo tempo, natural. Se você levar em consideração tudo o que ele me contou, a cor ideal está garantida!

Beauty Editor: Onde é que as mulheres mais pecam quando vão mudar a cor do cabelo?
Anderson Couto: Ao escolher um tom que não tem nada a ver com o seu fundo natural. Quando os fios são castanho médio ou escuro, por exemplo, você pode clarear ou fazer mechas e reflexos que caminhem para o chocolate, o avelã e o mel – tons amarronzados mais luminosos – que o cabelo ficará lindo e o resultado final, também. Pele, sobrancelhas e fios estarão em harmonia, ressaltando a beleza no geral. Por outro lado, optar por um loiro claríssimo, nesse caso, pode ser artificial. O cabelo, a pele e as sobrancelhas vão destoar entre si e, quando se avalia o resultado, a sensação que se tem é de estranheza. Isso significa que esse tipo de loiro é proibido para a mulher naturalmente morena? Não. No entanto, ela precisa, antes de partir para a coloração, ter uma ideia bem clara do efeito que obterá. E escolher se prefere exibir uma beleza natural ou um visual mais transgressor.

BE: Como a mulher que vai mudar a cor do cabelo pode ter segurança de que vai dar certo, então? 
AC: Além de respeitar essa dica anterior, que é a principal [a de levar em conta a cor natural do fio], ela precisa escolher um bom cabeleireiro na hora de fazer a transformação. Um profissional que domine o assunto – saiba usar os produtos e as técnicas certos para transformar os fios – e que também apresente um olhar estético refinado. Se tiver experiência em visagismo, melhor ainda. Para as que querem mesmo partir para um loiro bem claro apesar de terem um fundo naturalmente escuro, uma estratégia que pode ajudar é manter as raízes escuras. Evita um contraste muito agressivo entre a nova cor e o look geral e ainda tem a vantagem de ajudar a estender o intervalo entre os retoques.

BE: E referência, vale levar quando for colorir?
AC: Vale, mas é preciso compreender que a referência é um ponto de partida, não obrigatoriamente o de chegada. Em outras palavras, levar a foto de um cabelo que você acha lindo e quer ter igual vai ajudar o cabeleireiro a entender suas expectativas, mas você precisa saber que pode ser preciso fazer adaptações para aquele look funcionar para a sua beleza em particular. Distribuir mechas e reflexos de uma maneira um pouco diferente e usar outros tons para iluminar pode ser necessário para valorizar o formato do rosto e o tom de pele, por exemplo.

BE: O que você pensa sobre mudanças radicais? Sobre chegar ao cabeleireiro de um jeito e sair completamente diferente?
AC: Que o perigo de ficar insatisfeita é muito maior. Tento convencer minhas clientes a mudar aos poucos, ir agregando nuances e efeitos ao cabelo em várias etapas. Se a pessoa é castanha clara e quer ficar loira, por exemplo, primeiro faço reflexos cor de mel; depois que ela se acostuma com esse resultado, acrescento mechas douradas, e assim vou clareando aos poucos, construindo o efeito luminoso de uma maneira progressiva e customizada. Dá muito mais certo e é o que recomendo para todas as mulheres que queiram trocar de look.

BE: Como tudo o que tem a ver com cachos me interessa, me conta: quem tem cabelo cacheado deve tomar que tipo de cuidado a mais quando for colorir ou clarear os fios?
AC: É importante escolher um especialista que saiba trabalhar especificamente com o cacheado e o crespo. Não só do ponto de vista de respeitar a forma e a fragilidade do fio [cachos podem perder a forma se não forem coloridos com cuidado!] mas também de entender como distribuir mechas e reflexos de uma maneira mais orgânica e mais interessante. O especialista precisa analisar o movimento do cabelo antes, senão pode acontecer de, ao final do processo, as luzes ficarem pouco evidentes e não trazerem o glamour que a mulher estava desejando quando decidiu clarear…

BE: E por falar em cuidados com a saúde do fio, o que há de novo sobre esse assunto?
AC: Desde que recebi o sistema Wellaplex para testar [Anderson é embaixador da Wella no Brasil], venho utilizando-o para fazer descolorações e gostando bastante dos resultados. Tecnicamente falando, ele ajuda a fortalecer as ligações internas do fio, o que diminui a possibilidade de o clareamento quebrar ou fragilizar sua estrutura. Os passos 1, que deve ser misturado ao descolorante, e 2, para ser aplicado logo em seguida ao enxágue, são de uso profissional, então você precisa pedir para que seu cabeleireiro os utilize quando for descolorir/colorir. Mas também há uma máscara capilar, o passo 3 do sistema, que dá continuidade ao tratamento em casa. Aliás, máscaras no geral, além de xampus e condicionadores específicos para cabelos que passaram por processos químicos, são importantíssimos como manutenção. Eles ajudam a garantir fios mais saudáveis, brilhantes e macios – tudo o que valoriza ainda mais a beleza da nova cor.

Conta, gostou da entrevista? Recheada de dicas úteis, acho que você vai concordar… E para terminar…

…QUER CHECAR DETALHES DE DOIS DOS CABELOS MAIS FAMOSOS DE ANDERSON?

O loiro de Giovanna Ewbank é icônico. A raiz escura deixa o visual mais moderno e ajuda a harmonizar o comprimento loiríssimo com o fundo quente da pele da atriz.

O castanho iluminado que Giovanna Antonelli  usava até alguns dias atrás (agora ela mudou de look, o que você pode checar neste post aqui!) é um exemplo perfeito de como clarear com glamour e naturalidade um cabelo castanho. Tem mechas no tom de mel, distribuídas de uma forma mais aleatória – efeito que é super tendência!

Aliás, se você quiser checar mais castanhos que estão na moda, recomendo entrar rapidinho na minha coluna no site F5, da Folha de S. Paulo. No post que publiquei lá, o próprio Anderson fala sobre os tons mais em alta no momento. Vale a leitura!

Fotos: arquivo pessoal Maria Cecília Prado (retrato Maria Cecília e Anderson), Anderson Couto (retrato Giovanna Ewbank) e reprodução Instagram (retrato Giovanna Antonelli).

Comentários

~ comentário Comentar

  • carregando...
  • Nenhum comentário.
Ver mais 96 comentários